Se comparar com os outros é sempre fracasso. Se você não está se comparando com ninguém já é sinal do seu próprio reconhecimento. Se comparar é duvidar de si mesmo. A dúvida de si mesmo pode até ser instrutiva, mas a estratégia de comparação nunca falha em te diminuir.

Não está tudo perdido. Ao se sentir pequeno e diminuído você pode optar por se escutar e encontrar algumas verdades que fazia algum tempo que não via, mas que silenciosamente moviam alguns dos teus passos.  Não é porque você se comparou com a fulana que passou a se sentir fraca.

É porque você se sente fraca que ao olhar a fulana você se incomodou. E essa fraqueza não é de hoje, ela acompanha decisões, movimentos, escolhas. Ao perceber ela assim tão perto, quem sabe permita se escutar. “Ah então eu me acho fraca?”, e está aqui a chance de se fazer mais forte.

O que é que representa força pra mim? Como me torno 10% mais forte do que sou? O que em mim é forte o bastante, mas eu não notei antes? Quem me inspira a ser mais forte? Quem sabe aquele ou aquela que te mostrou tua fraqueza seja a mesma que te apresente a tua potência.

Todo mundo tem o seu lugar, explorar o seu permite celebrar o do outro. 

 

Deixar seu Comentário

Comentar